segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

boas ações pipocando por aí

o post de hoje é sobre o resgate que duas amigas fizeram na semana passada. a keka, que já tem uma gatinha e um gatinho, e a rê, irmã dela e que já tem uma gatinha tb.

só tenho duas coisas para dizer a respeito e daí já deixo vcs com o post que a renata escreveu:

1 - go girls (e todo mundo mais que puder resgatar por aí, afinal ta chovendo filhote de gato neste final de ano)!!!

2 - pelamordedeuseuvouenfartarcomtantadelíciajunta!

beijos e boa semana.

"Presentinho de Natal Antecipado - Por Renata Saldanha





Na manhã da última segunda-feira, dia 12 de dezembro, a minha assistente Sara chega em casa com uma notícia e, provavelmente, com uma segunda intenção... Num beco que ela passa todo dia aqui perto, havia uma caixa de papelão com quatro filhotes de gato abandonados. Imediatamente liguei para a minha irmã,  a e a convenci para averiguarmos o caso. Ela me perguntou algumas vezes se eu estava certa disso. Não tive dúvidas e falei que levaríamos do beco para o vet e depois os deixaria de quarentena na lavanderia (já tenho uma gatinha de 1 ano aqui comigo, a Mya). E lá fomos as três, pois é claro que a Sara também foi e com a caixinha de transporte em punho. Chegamos no local e a cena era de 4 fofurinhas, cada um de uma cor: 1 amarelo, 1 tricolor com predominância de cinza, 1 tricolor com predominância de amarelo e 1 branquinho. Todos de olhinhos claros (azuis e verdes) e com aproximadamente 1 mês e ½ de vida. Quem, nesse mundo, tem coragem de abandonar essas coisinhas mais meigas e doces???? Só se for da família dessa doida assassina de Yorkshire!

 (esta é a mya, a gata que a rê já tem)



Fomos à Vet, e Dra. Julia examinou um a um, com o maior carinho do mundo! Os mini felinos estão com suspeita de um fungo de pele, uma alergia que causa dermatofitose. Assim que o laboratório de análises enviar a confirmação, eles serão tratados. Por enquanto estão sendo hidratados, alimentados, vermifugados, anti-pulga  aplicados e AMADOS. Mais pra frente serão vacinados, porque senão é muita informação, né gente?! São tão pequeninos...pesavam na média 550 gramas cada....



Eles já ganharam uns gramas a mais e alguns brinquedinhos. Já dominaram a caixinha de transporte da Mya, que virou a cama deles. Por orientação da veterinária não pode misturar com outros gatos ainda, porque nessa fase é contagioso e até humanos podem pegar. Mas mesmo com todos esses cuidados e trabalho, é uma benção ver eles se divertindo, pulando pra cá e pra lá, e com saúde. Só tem um probleminha: eles adoram dormir na caixinha de areia (quando está limpa, é claro...êta bichinho inteligente, que vem com um chip de educação).



Cuidaremos das belezinhas por 1 ou 2 meses e aí vamos iniciar o processo de adoção por quem se interessar!



Temos a intenção de ficar com dois, um meu e outro da minha irmã, isso se os maridos concordarem...


Muito obrigada Sara, pelo presentinho de Natal que foi esse Quarteto F-A-N-T-Á-S-T-I-C-O!!!"








se vc quiser um destes bebês, já reserve o seu! deixe um comentário que nos falamos!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

a pobreza da natureza humana

e por que será que foi que deus deu pra gente a inteligência, né?
será que se tivesse dado a outros animais, como os gatos, a coisa seria assim?
to com o coração partido hoje e vou contar uma história.

um belo dia chega no abrigo do AUG um gatão incrívelmente lindo. ele foi chamado de formoso e a gente facilmente compreende porquê.

 Formoso, logo que chegou - em observação na gaiolinha

ele é daqueles gatos deliciosos, sabe? cabeçudo, corpulento e peludão. o formoso é carente, vive se esfregando nas pernas das pessoas, pedindo carinho e de vez em quando ele dá um siricutico e retribui o carinho com uma mordiscada...ah, os gatos!

pois bem, não tardou para o formoso, lindo deste jeito, ser adotado. a gente ficou mto feliz, porque ele, assim como todos os outros que estão no abrigo, merece uma casa cheia de amor, comida boa e humanos para si. ele ama a companhia de humanos, isso deu para perceber.

o formoso é normal. anda normal, come normal, usa a caixinha de areia normal e está saudável. muito saudável!!!!

o formoso só não se misturava mto nas brincadeiras no abrigo, mas tb não estava tão incomodado assim, depois do impacto inicial ele se achou e estava acostumado com a companhia de tantos outros e tudo mais.

eis que assim sendo ninguém notou que o formoso era ainda mais especial, além de parecer um original gato siberiano da floresta, o formoso é ceguinho. sim, o formoso não enxerga necas.

a adotante precisou de um dia em um ambiente mais claro que o abrigo, com luz direta, para notar que o formoso é cego. quando notou, avisou o AUG e disse que não teria problema, mas ela mudou de ideia e agora O FORMOSO PERDEU SEU LAR. ele vai voltar pro abrigo.

é agora que eu penso por que o ser humano é tão pobre de espírito? não bastasse para o próprio animal a chateação de não enxergar nada e apesar disso a superação de se tornar um aninal normal (a ponto das maiores especialistas em gatos do mundo nem notarem que ele é cego), agora ele, que se apega e ama a companhia dos seres humanos, depois de ter experimentado por uma semana os prazeres de uma casa só dele, com pessoas só dele, vai ter que voltar pro abrigo mais uma vez.

o abrigo não é um lugar triste. é apenas um lugar cheio de gatinhos e todos são um pouco carentes, pois apesar de verem pessoas todos os dias, como são mtos, nem todos recebem o carinho que precisam e merecem, então é chato ficar alí, principalmente para aqueles que curtem tanto as pessoas.

eles são mega bem cuidados. veterinária todos os dias, faxina, brinquedinhos, comida e água em fartura, outros vááários bichinhos para brincar e nós, as apaixonadas, pegando e beijando que nem doidas, mas ainda assim não é melhor lugar para nenhum deles - ganha das ruas, óbvio, mas não é o melhor lugar.

meu coração ta doído, porque sinto uma tristeza imensa em pensar que um bichinho como este, um herói na superação de obstáculos, merece mais. ele não merece mais um abandono, mas como colocar este amor e como argumentar com uma pessoa que pensa o contrário?
o pior é que ele não faz nada de errado. nada. só não enxerga.

espero mto que ele encontre logo um lar onde possa ser quem é do alto da sua formosura e garbo. um gatão charmoso e especial.

fica aqui um apelo: se vc que está lendo aqui é uma pessoa de bom coração, adora gatos e tem espaço para mais um em sua vida (ou para o primeiro, por que não?), adota o formoso. em breve ele estará de volta ao site do AUG e vc poderá ser muito feliz com este gatossauro (ele é grandão!) carinhoso e diferenciado.

se puderem, passem adiante a história do formoso. ele precisa mto de um ser iluminado na vida dele. mto mesmo.

beijos e muita luz, seres humanos. luz, compreensão e bondade. do fundo do meu coração partido.

Formoso recebendo carinho na casa da sua humana por uma semana

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

o dia em que os meninos se encontraram...

o juquinha está com a infecçãozinha, mas está quicando de alegria e ansiedade.

ontem ainda deixei ele isolado, mas era 2h da matina e eu estava aos prantos porque ele não parava de miar de dentro do banheiro e era só abrir a porta que a ratazaninha blancatataluga saia correndo. ele queria mto ficar com a gente e com os irmãos. mais uma semana assim trancafiado não ia rolar...

ontem eu estava tomando banho e um dos grandes abriu a porta do banheiro. o juquinha fez uma fuga e foi parar dentro da caixa de areia dos grandes e por lá ficou, encarando uma parte recém abandonada pelo banzé, que by the way, não sabe enterrar esses presentes.

hoje de manhã não aguentei. dei a primeira dose do antibiótico e soltei.

o bichinho ficou imediatamente o ser mais alegre e saltitante do mundo. achou uma brincadeirinha que começou às 8hs da manhã e que continua até agora, segundo informações vindas de casa.

os grandes já parecem estar apaixonados por ele, porque tb não saem de perto, dão banho de língua e estão deixando ele atormentar sem nem dar um miadinho de reclamação.

 juquinha e sua nova brincadeira: rá!

ai que alegria ter estes meninos!

segue abaixo um vídeo desta primeira brincadeira, minutos após o juquinha receber a alforria.

bom final de semana chuvoso!



ai como eu to feliz!!!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

mil coisas

oi gente!
tudo bem?
o post de hoje fala de diversos assuntinhos:

1- Juquinha:
Sairam os laudos para os exames de FIV / Felv, parasitológico de fezes e hemograma.

Ele é FIV / Felv Free! Não tem nada no meu pequenino, como eu bem imaginei.

O exame de fezes dele concluiu que o cocô está marrom, pastoso e fétido!

Achei engraçadíssimo essse laudo. "odor: fétido" - de fato é fétido. Ontem cheguei em casa e abri a porta com uma surpresa no ar, um" fedô" que nunca antes tinha sentido. Abri o banheiro e eis que Juquinha pisou no cocô fora da caixinha e borrou o chão.

Resultado: residência fétida!

No mais, ele está com uma infecçãozinha e vou ter que entrar com antibiótico e suplemento de vitamina, mas o corpinho dele já está lutando e logo ele estará zero bala (amém)!

2 - Vídeo que me deixou mto feliz!

Hoje uma amiga postou um vídeo de um par de gatinhas que foram adotadas no AUG e que eram casos daqueles que a gente desacredita, porque uma vivia escondida no canto de uma gaiola com as orelhas sempre abaixadas, o olhar apavorado e uns "fuss" de meter medo em marmanjo. Inclusive ela descia a mão sem dó na gente. O nome dela é Meg.

A outra é a Kika. Uma gatinha doce e fofa de tudo, mas meio "castigadinha" pela vida, então não era nem das mais bonitas e nem das mais atraentes por qualquer motivo que fosse, exceto pela graça por ser esquisitinha e ter um miado que mais parece uma véia rouca e pelo fato de ser tão carinhosa que escalava seu pescoço e enfurnava a cara no seu cangote.

Um dia uma bela alma foi no abrigo e adotou as duas. Meg e Kika ganharam um lar, iupiiii!!!

Agora a menina postou um vídeo com as duas e para nossa maior surpresa, felicidade e orgulho, a Meg aparece tranquilona brincando com uma bolinha como se nunca tivesse sido a gatinha apavorada e anti-social que foi.

Aproveito para provar aqui o ponto: TODOS OS GATINHOS TÊM SOLUÇÃO.

Todos podem se apaixonar pelo dono, amolecer o coração e tornarem-se os melhores filhotinhos que a gente pode querer e sonhar.

A Kika inclusive aparece mais charmosinha no vídeo. Eu sempre amei a Kika e fiquei feliz de vê-la bem gordinha! Ain que saudadinha dela.

Meg se jogando na bolinha e Kika marotinha por aí.

3 - Site baca!

Agora uma diquinha de um site mtooo engraçado que um amigo me mandou no facebook: 


É um riso e uma fofice atrás de riso e fofice. Vale a pena conferir.

Beijos e até mais!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

para chamar de seu!

hoje vou postar umas fotos e perfis de uns gatinhos que foram tirados da rua por uma protetora amiga e que agora estão prontinhos para adoção. é importante adotar eses gatinhos, porque assim ela vai ter vaga para tirar outros e outros e por aí vai. para o alto e avante!

quem quiser entre em contato com ela (informações abaixo) e quem souber de alguém que possa querer, por favor, divulgue!

todos merecem uma chance de ter uma casinha com mto amor, comidinha e proteção e vc merece um gatinho pra chamar de seu! :)

beijos para todos e todas!

Esta é a SEREINHA, nasceu em 20/10/11, é muito meiguinha.

 Este é o PINGUIM, macho, cerca de 2 meses de idade, sapequinha e brincalhão, irmão da FOQUINHA.


 Esta é a FOQUINHA, fêmea, cerca de 2 meses, meiga e carinhosa.

 Este é o FOFO, macho, cerca de 2,5 meses, bem peludo, sapeca e espertinho.

 
Este é o PETER RABBIT: macho, cerca de 2 meses, é um siamesinho com rabinho curtinho. É super meigo, carinhoso e dá beijinho. 

 
Este é o MANHOSO, macho, cerca de 7 meses, castrado. É esperto, bonzinho e muito brincalhão.
Esta é a BRANCA, fêmea, cerca de 6 meses, mamãe da SEREINHA e do PINGUIM.


Esta é a ARYSSA, fêmea, castrada, cerca de 7 meses, castrada. É doce, meiga e carente.

Esta é a CANDY, fêmea, castrada, cerca de 1 ano. É quietinha e muito sossegada.

Esta é a JAGUATIRIQUINHA, fêmea, castrada, cerca de 1 ano. Delicada, miudinha e sossegadinha.

 Esta é a BABÍ, fêmea, castrada, cerca de 6 meses. Miudinha, brincalhona, espertinha e muito carinhosa.


Interessadas (os) devem entrar em contato com a Angela no e-mail angelamienaka@gmail.com ou pelo telefone 11 - 9118.2541
Mais fotos em http://vamosajudarumgatinho.tumblr.com/ ou
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.2476031153860.128006.1644923667&type=3



segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

E lá vem o Juquinha, lá lá lá lá lá lá láááá

Oi! Eu sou o Juquinha


Neste final de semana encontrei um novo amor. Por enquanto ele se chama Juquinha, porque é o caçula da turma, mas ainda não me convenci com esse nome, então quem tiver sugestões, por favor comente!

Desde segunda-feira passada o Gil me contou que estava ouvindo miadinhos vindos do mato que tem entre a escadaria da rua augusta para a rua avanhandava.

Vc desce um lance de escadas vindo da augusta e dá na radial leste, mais um lance e cai na avanhandava. Quem passou por lá sabe que é um lugar nojento e perigoso. Fica na beira de uma via de trânsito mega rápido (e que tem mtos atropelamentos e acidentes) e à noite o local vira banheirão e sala de reunião de nóias de crack (é hype, benhê! Cola lá!).

 Local do resgate do Juquinha

Eu mesma ouvi o miadinho durante a noite por dois dias seguidos, mas não conseguíamos localizar de onde vinha, pois o mato é espinhento e embaraçado.

Sábado estava saindo cedo e passei por ali com olhos de gavião. Eu tinha que saber de onde vinha e quem era.

Achei uma mini coisa enroladinha tirando uma soneca. O Gil entrou no matinho por um lado e ele correu pro outro, eu entrei no outro e ele correu pro Gil, que se arranhou todo, mas pegou o Juquinha.

Ele estava bravíssimo (por medo, claro, não deve ter sido fácil viver por ali uma semana com tantos carros, buzinas, nóias, sujeira e nenhuma água ou comida adequada). Faz FUUU como ninguém e estava sujinho de fuligem e LOTADO de pulgas que parecem baratas nele, de tão pequenino que é.
Fui pra casa, coloquei ele num transporte forradinho de toalha e com um pratinho de sache de whiskas e fomos pruma vet.

 Juquinha no momento do resgate. Apavorado e imundo.

Ele está com a maior pança de vermes da praça. Tirando isso é pele e ossinhos, mas está comendo bem, bebendo água, sabe usar a caixinha de areia com maestria e agora ta morando temporariamente no meu banheiro (que pra ele é uma mansão) enquanto excluímos FIV e Felv (ele será testado amanhã) e outras bicheiras que podem contaminar o Panqueca e o Banzé.

 Morada temporária do Juquinha

Pra quem pretende sair por aí recolhendo animais em aflição (espero que todo mundo!), existem algumas dicas importantes. Quando peguei o Banzé na praça do Metrô Tiradentes, levei ele num vet meio incompetente e coloquei ele junto do Punk logo na primeira noite. O resultado foi ruim, principalmente pro Punk que nunca tinha ficado doente. O Banzé tinha isóspora e contaminou o Punk. É uma doencinha chata, comumente confundida com a giardia e que castigou meus nenês com um tratamento extenso e intenso de 14 dias.

 Banzé no dia que chegou: pele, osso, machucadinhos e isóspora

Sendo assim, tendo feito um resgate da maneira errada e um como deve ser, seguem umas diquinhas importantes pra resgatar e ser feliz:

- Leve o animal diretamente pro veterinário e exclua as doenças que podem ser diagnosticadas de cara através de um exame visual (mucosas, corpinho, peso, etc);

- Dê um vermífugo adequado ao tamanho e idade do animal e dê um banho, pois ele certamente terá pulgas e outras coisinhas, mas dê um banho com shampoo normal e dois dias depois do vermífugo normalmente vc já pode passar o FRONTLINE SPRAY, que é bastante seguro, mas não passe antes se tiver vermifugado, pois pode intoxicar o animal;

- Teste para FIV e Felv (se for gato), pois se vc já tiver gatos que não possuem o vírus e o novo for positivo, eles nunca poderão ter contato algum – vale ressaltar que não é a coisa mais comum do mundo, mas vale assegurar;

- Colha uma amostra de fezes para exame parasitológico (e de outras coisas que podem ser identificadas nas fezes);

- Mantenha o animal em observação por alguns dias – fique de olho no cocô, principalmente, se estiver mole (é normal ficar mole depois do vermífugo, mas não pode levar mtos dias até endurecer);

- Alimente bem, com comida de boa qualidade e patês pra engordar e dar uma “tunada” na saúde. Vc pode dar o A/D da Hill's (caro, mas bom demais) ou algum outro que for adequado (adulto ou filhote – eu estou dando o sache de filhotes da whiskas por enquanto).
 
Depois disso tudo se o bichinho tiver com tudo em cima, solte em casa e sejam todos felizes!
:)

A adaptação com outros bichinhos pode levar tempo e algumas brigas e agressões, mas acontece com paciência, amor e acompanhamento.

Logo menos analiso o perfil do Juquinha e informo o nome completo. Aguardo sugestões mesmo!
Beijos e até mais.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Um desabafo e dois pedidos de ajuda URGENTES

Hoje é um desabafo e quem quiser que leia (isso é se alguém está lendo esse blog).

Todos os dias a gente se depara com situações caóticas de animais em situação de abandono e risco.
Todos os dias a gente luta dentro de si mesma para seguir com a vida sem morrer de depressão. O mantra “vc faz o que pode” ecoa na mente sem parar, mas nem sempre ele chega ao coração e oferece a serenidade necessária para que a vida não perca o sentido ou não seja essencialmente amarga.

Todos os dias eu vivo assim. Todos os dias um gatinho nenê cruza meu caminho correndo e se entoca em algum canto frio, escuro e impróprio para a vida. Todos os dias uma gravidinha, um magrela, um sarnento, um coitado passa por mim (ainda mais porque trabalho num bairro desgraçado pra isso).

Todos os dias chega um e-mail (ou mais) de uma pessoa que, por saber da minha preocupação e luta, acha que eu posso ajudar. Ah se eu pudesse ( e meu dinheiro desse – não tem aquele ditado?).

Todos os dias tenho que engolir meu orgulho, engolir meu choro e seguir adiante, dizendo que (infelizmente) minha casa não tem espaço (não tenho portas! Meu banheiro é minúsculo e com a janela no corredor dos apartamentos), não sou dona de ONG e nem tenho autorização de resgatar e levar pra ONG nenhuma, que o máximo que posso fazer é compartilhar, colocar a boca no trombone, tentar uma ajuda aqui ou ali, passar contatos, oferecer ração e ajuda nos custos, nas castrações, etc. É doar meu tempo e meu amor aqui, um dinheiro ali, uma comidinha acolá e só. Infelizmente é só. Alguns dizem que já é mto, outros que é o bastante, mas a alma de uma pessoa que sente essa dor e esse amor não se tranqüiliza assim. O sono não volta por isso e nem o estômago deixa de doer. No meu trabalho todo mundo me conhece como “a doente por gatos” ou como “a chorona”, porque passo o dia oscilando entre o viver normalmente e o chorar por essa situação. O máximo que é possível é um sorrisinho amarelo e a luta constante. Contra si, contra a dor, contra a impotência, contra a antipatia das pessoas, contra a recriminação das pessoas e os julgamentos errados.

Pessoas possuem boca, inteligência e em teoria um Estado que se responsabiliza por elas. É claro que o Estado nem dá conta de todo mundo e nem se importa como deveria, mas além dele existem as ONGs e pessoas de bem que ajudam pessoas que precisam. O que os animais têm?

Eles dependem 100% da gente pra tudo. Precisam de proteção, precisam de comida, precisam de cuidados médicos, precisam de um teto sob suas cabeças e amor. O que eles te dão de volta? Amor exclusivamente. Só coisas positivas (apesar dos cocozinhos e xixizinhos ou móveis arranhadinhos ou sofá desfiandinho. O amor vem acima disso tudo. Perante o amor qualquer materialidade é lixo. É só uma coisa).
Eles tb te dão uma companhia bondosa e nenhuma cobrança extra. Nenhuma ingratidão e nenhum motivo pelo qual não sentir tudo isso de volta por eles. É uma troca pura. No real e simples sentido da palavra. Pureza por todos os lados.

Eles sentem medo, dor, sangram, procriam a amam, mas não podem bater na porta de uma igreja e pedir uma marmita, ou não podem estender a mão e dizer “uma ajuda por favor, to com fome”. Eles não podem fazer fila no abrigo pra tomar banho, comer e dormir. Quando tá frio não tem serviço nenhum de assistência social para dar cobertor e oferecer um local para passarem a noite. Eles não podem pedir um emprego, um bico, uma forma digna de se sustentar, mas ainda assim, sendo este “inconveniente” que eles são soltos por aí, eles precisam viver, pois em algum momento a irresponsabilidade e a falta de consciência de alguém causou isso para eles.

Seja quando uma pessoa abandona seu animal por algum motivo idiota (é sempre idiota, me desculpem. Sempre.), seja quando uma pessoa acha que castração é crueldade (filhotes virando asfalto, morrendo envenenados ou simplesmente crescendo na rua não é cruel, né? Deixa eles “treparem”, coitados – como se eles fizessem por amor e prazer. Como se eles tivessem como se prevenir contra gravidez indesejada. Como se eles pudessem escolher por si mesmos), seja quando alguém simplesmente vira a cara.

O problema é do mundo. O problema é nosso, mas mta gente ainda consegue conviver com isso tranquilamente. Passar por um bicho de rua e dizer “ain que fofinho”. Na boa? Fofinho é o caralho! Faz alguma coisa! Adota um, apadrinha um, castra um, ajuda a doar um, divulga um...faz alguma coisa! Pra qualquer desculpa que alguém der, existe um argumento que mostre que é desculpa mesmo. Estou convencida disso agora pela experiência. No meu caso, não posso cuidar em casa, né? Então cuido em outros lugares. Simples assim.

Vc que está aí lendo pode pensar: “mas e as crianças de rua? E os mendigos?”. Em algum momento alguém fez uma escolha mal feita ou errada e o resultado é esse. NÓS PAGAMOS PELO QUE NÓS FAZEMOS. OS BICHOS PAGAM PELO QUE NÃO FAZEM.

Como disse antes, existem mto mais projetos de assistência, programas do governo e pessoas que querem ajudar criancinhas e mendigos, drogados e ex-presidiários, que pessoas e projetos que querem ajudar animais. 

O pior é que as pessoas ainda fazem as coisas esperando reconhecimento, esperando louros e congratulações, mas a verdadeira caridade é silenciosa. Não espera nada de volta e não tem pretensões de deixar ninguém famoso, rico ou querido.

Eu mesma me sinto pior quando alguém diz “parabéns por vc lutar, que linda vc por fazer isso, vc merece o céu”. Eu não quero que ninguém me congratule por nada.
Eu não quero que ninguém se orgulhe de mim e não quero ficar famosa, não.

Se eu mereço o céu, isso quem sabe é o dono dele.

Meu interesse é único e exclusivamente de amenizar essa situação. É deitar a cabeça no travesseiro à noite e me sentir menos merda por estar neste planeta e compartilhar a condição de HUMANA com essa gente que está por aqui tb. Cada um na sua missão, claro, mas cada um podendo evoluir um pouco mais, fazer um pouco mais, melhorar um pouco mais.

Enfim, em resumo, seguem dois pedidos que recebi hoje no meu facebook. Será que dá pra entender a indignação e o sofrimento?

Gato é bacana. Gato é silencioso. Gato é limpo. Gato AMA o dono. Gato não dá quase trabalho nenhum e recompensa só de olhar na sua cara com amor e respeito por vc.

E ó, não sou a dona de razão e nem da verdade. Pode discordar de mim, mas de verdade? Neste momento, se não for pra agregar e ajudar, nem comenta. Não se dê ao trabalho de opinar (porque eu não to pedindo opinião e nem to abrindo um debate) e nem me irrite, vá!

PEDIDO 1 


"Por favor, alguma ONG ou protetora independente que possa ficar com os pobres bebês? A lourdes do restaurante castrou 7 gatas fêmeas, uma fugiu, mas ainda restam tantos bebês, são mais de 25 gatos apertados naquele quarto de barraco!
O tutor deles está dando para qualquer pessoa que vive naquela favela, tudo muito pobre , sujo e sem perspectiva de uma boa vida para os pobres gatinhos.
Tem lindos filhotinhos azuis, laranjinhas, frajolas, siameses, pretinhos, tabbys cinzas.
Eles vivem em um quarto na favela, super úmido, não deve ter mais do que 4mx4m. Os animais estão doentes, magrinhos, as mãezinhas sem pêlo, magrinhas.
Contato com a Lourdes no 11 8484-7676/11 2703-0898. Se não conseguirem falar com ela podem mandar um email no: lincolncachorroderua@gmail.com"

PEDIDO 2 - ACLIMAÇÃO / SP
ESTÃO SEM ÁGUA, SEM COMIDA E ALGUNS DOENTES. CERCA DE 10 FILHOTINHOS PEQUENINOS E MUITOS OUTROS ALÉM DESTES DA FOTO.

ESTÃO NA RUA BRÍGIDA, 667 - ACLIMAÇÃO

e quem tiver coragem e amor no coração que faça o que pode...cada um sabe o que pode.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Bazar pra Ajudar MUITOS gatinhos!

Olá pessoal.

Tudo bem?

No post de hoje vou dar uma dica mega bacana que leva a duas  realizações mais bacanas ainda: o BAZAR DO ADOTE UM GATINHO, que acontece neste domingo no Clube Piratininga das 10hs às 18hs (abaixo mais informações).



Sabe quais são as duas coisas que vc pode conseguir indo ao bazar a gastando seu rico dinheirinho?

1. É época de natal, então vc deve ter uma lista de pessoas para quem deve comprar lembracinhas e lembrançonas.

Pois bem! No bazar vc vai encontrar lembranças de todos os tipos e para todas as pessoas: aquelas que amam os gatos, aquelas que possuem os gatos e o restante. rsrsrs

Além dos produtos do ADOTE, com renda 100% revertida para as centenas de gatinhos atendidos pelo projeto atualmente (e pros que estão por vir), vááários parceiros com produtos diferentes e para todos os gostos também estarão lá e reverterão parte do valor vendido para a ONG. Objetos pessoais, decoração e até comida pra ajudar os bichinhos!!!

Ou seja, vc compra presentes pra toda essa listinha e acaba realizando a segunda coisa e mais importante ainda: CARIDADE!

2. Já dizia o "Menino Jessú" que "fora da caridade não há salvação", certo? 

Estes gatinhos precisam mto de todos nós e ajudando o ADOTE a continuar este trabalho, vc está fazendo a sua parte neste mundão tão necessitado e acabará se ajundando tb no quesito "evolução espiritual" (eu acredito mto nisso!).

É uma grande corrente do bem!

Vai dizer que depois dessa vc vai passar a chance?

Espero ver todo mundo lá. Todo mundo mesmo, porque as chances de ajudar SÃO INFINITAS.

Além de comprar os produtos lindos, vc ainda pode garantir que os gatinhos tenham um NATAL MUITO FELIZ. Quer saber como? Com a compra de uma sacolinha (ou vááááárias).

Estas sacolinhas são direcionadas para o gatinho que vc escolher. Dentro dela tem tudo o que eles precisam todos os dias: comida, areia e um mimo. Pode ser brinquedinho, pode ser caminha. 

Dá uma olhada nos preços e opções de sacolinhas e depois espia o vídeo da entrega das sacolinhas do ano passado, mas cuidado, se vc tem coração mole, vc vai chorar! É lindo de ver!




Entrega das sacolinhas doadas em 2010


Se eu ainda não te convenci com o papo do natal e da caridade, com a sacolinha e o vídeo (jura? coração de pedra!), dá só uma olhada nos produtos do ADOTE para este ano. Duvido que depois dessa vc vai passar a chance!






Bazar Adote Um Gatinho 2011
Data: 04 de dezembro
Local: Clube Piratininga (Alameda Barros, 376, Santa Cecília)
Horário: 10h às 18h
Entrada franca  

Estacionamento no local - valet na porta do clube R$20

Metrô próximo: Marechal Deodoro.
Linhas de ônibus que passam pelo local AQUI

Estacionamentos próximos:
Av Angélica, 745 - Ed Arco do Triunfo
Av Angélica, 689 - Estacionamento RRM
Av Angelica, 391 - Estacionamento Brasil Park
Av Angelica, 310 - Higienópolis Confort Hotel
Preço médio de R$10 por 2 horas. 

NÃO HAVERÁ FEIRA DE ADOÇÃO NO LOCAL. PARA ADOTAR UM DOS GATINHOS DO AUG, ENTRE NO SITE!!










segunda-feira, 28 de novembro de 2011

visitando a veterinária

Sábado foi dia de levar os meninos na veterinária. 

Os gatos, dizem alguns veterinários, precisam começar os check ups anuais por volta dos 6 anos, idade em que eles se tornam mais propensos a desenvolver doenças renais.

Eu, como toda boa mãe coruja, levo meus nenês todos os anos, afinal eles precisam ser anualmente vacinados com uma dose da quádrupla felina e uma de raiva, então já vale a viagem pra fazer aquele exame minucioso de todos os cantinhos do bichinho e sair de lá felizona por saber que está tudo bem.

Olha, eu não tenho do que reclamar dos meus bebês. Corre sempre tudo tão tranquilamente com eles que é fácil demais e sem nenhuma emoção! rsrs

Pra entrar no transporte já é uma beleza. Eu simplesmente coloco as duas caixas abertas no chão e deixo cada um escolher aonde vai. Eles entram sozinhos e ficam só esperando. O Punk pegou a vermelha, que é menor e mais adequada pra ele mesmo e o Banzé entrou na azul, maiorzona e com tampa removível, já que ele gruda no fundinho e não quer sair de curioso, como o Punk faz (Além de tudo são espertalhões).

 Panqueca no transporte pronto pro rolêzinho!

O único episódio mais emocionante nesta viagem foi que ambos passaram por um pouco de stress no trajeto. Banzé na ida e o Punk na volta.

Eles ficaram com a boca aberta e com a língua de fora ofegantes. Peguei a caixinha no colo e fui conversando com eles. Deu tudo certo, apesar de uns eventuais “chorinhos”. Veja vídeo abaixo.



Na hora da consulta eu tinha apenas uma coisa para dizer sobre os dois: fiz duas aplicações em 30 dias de Revolution e mesmo assim eles não pararam de coçar as orelhas e balançar a cabeça: sinal de quem tem mais alguma coisa por ali. A cera escura tb aparecia, mas mto de vez em quando.

Eles realmente estão com um ácaro no ouvido e este ácaro quase passou despercebido pela vet. No Panqueca passou, mas no Banzé, que é mais tranquilão, a dra conseguiu localizar um pontinho branco que se mexia dentro do canal, apesar da aparência 100% saudável (sem mal cheiro, pele rosadinha, etc).

 Este é o Banzé tranquilão na mesa da dra.

Agora estão os dois em tratamento de 14 dias com Otodem de manhã e de noite. O Panqueca se debate um pouco pra aplicar, mas nada que a minha mão segurando delicadamente a cabecinha dele e tapando os olhinhos não resolva. O Banzé nem se mexe. Falta mesmo deitar com a orelinha bem aberta e dizer “pinga ae!!”.

No mais, Panqueca atlético e bem formadinho como sempre e Banzé enorme, bem formadinho tb e arrasando corações com a cabeçona larga e o corpão de tigre! Ameaçaram até guardar ele numa mala e levar pra casa!

Os dois tomaram a vacina de raiva. Apesar de terem 1 ano e 5 meses, esta foi a primeira dose. Depois daquele surto de animais morrendo por conta da vacina que o governo distribuiu ano passado, eu fiquei com medo.

Esta que eles tomam na vet não é a mesma e, contrariando as estatísticas do dia em que tomam a quádrupla, depois da vacina de raiva a vida seguiu normalmente. Nada de bichinho acuado e quietinho. O Banzé, na hora da vacina, estava ganhando um carinho tão gostoso do Gil que até dormiu, apesar da agulha.

O Panqueca se debateu um pouco, mas não reclamou de mais nada. Curioso que é ficou explorando tudo o que via ao redor da mesa da dra. Uma coisa fofa demais.

O mais divertido de tudo foi encontrar amigos na vet e conhecer um gato chamado Alemão.  Um gigante que parecia uma fêmea gravidinha de tão gordinho.

Alguns gatos reagem de uma maneira estranha a carinhos na parte inferior da coluna (bem nas costas mesmo). O Alemão canta. É a sensação do consultório!

Fiz um vídeo bem engraçadinho disso e agora deixo vcs com com o Alemão, pra alegrar a semana e desejar um bom dia e com o Chico Xavier, iluminando a nossa mente a respeito da importância do amor aos animais.

 Alemão, o gato cantante





ps* enquanto esperava o vídeo do Alemão subir me deparei com esta resenha do Walcyr Carrasco a respeito da perda de uma de suas gatinhas, a Shiva.
É de encher os olhos de lágrimas, mas a gente se indentifica com a descrição do amor que se sente e do quanto os gatinhos são especiais e sensíveis aos nossos sentimentos.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

sobre gatos e suas personalidades

Dentre todas as afirmações que as pessoas fazem sobre gatos, uma delas é bem verdadeira: gatos tem personalidade.

Sim, eles tem. Muita e por vezes forte (não que isso possa ser negativo. Nunca! personalidade forte para mim indica uma individualidade enorme e marcante).

Na minha turma somos 6 amigas mais grudadas e quero apenas demonstrar a relação pessoas x gatos no nosso caso:
Temos 6 meninas, 5 namorados e 9 gatos.

São 5 fêmeas e 4 machos e cada um é do seu jeitinho. Existem comportamentos padrão, é claro, assim como em humanos, mas existe um outro mundo imenso de trejeitos, manias, gostos e peculiaridades em cada um deles.

Para demonstrar um pouco deste universo, pedi para que cada uma das minhas amigas mães de gato escrevessem um perfilzinho do seu bebê.
Taí, inclusive, um exercício interessante pra quem tem qualquer bichinho. Eu nunca tinha parado para racionalizar as personalidades dos meus bebês e, depois de fazer isso, acho eles ainda mais incríveis!

Aproveitem então uma sequência de delícias (fotos e descrições) e veja como os gatinhos podem ser interessantérrimos!

Beijos e bom final de semana!


As meninas da Clé (estas duas vieram da ONG Adote Um Gatinho):

Esmeralda - a mãe:
Ela veio de brinde, pq eu queria mesmo a filha dela e só.
Ela chegou assustada e só se escondia. Não queria saber de gente, não. Ficava o tempo todo embaixo da cama e quando a gente tentava uma aproximação ela fazia FUUU como quem diz "sai daqui, num gosto de vc!!" 
Com o tempo (bastante tempo, inclusive) ela entendeu que a gente era legal, e foi chegando mais perto.
Toda charmosa, ela é experiente como toda mãe.
Cheia de pose, não liga tanto para os insetos, não acha muita graça em escalar os móveis e tem classe. Repare no peito branquinho dela: ela usa lenço no pescoço!!!! E essa carinha meio a meio. É muito charme para uma gata só. É uma diva!
Adora se enroscar na nossa perna, e conversar com a gente. Sim, vc fala e ela responde com o miadinho mais gostoso do mundo. E adora um carinho no pescoço.
Olívia - a filha:
É criançona. Me apaixonei tanto por ela que aceitei ter 2 gatos, quando eu só queria 1.
Olha que linda, olha esse triangulo preto no olho!!! Mavá, muito fofinha!
Adora correr pela casa, é muito curiosa e desengonçada.
Está aprendendo a pedir carinho.... ela chega pertinho, dá um miadinho e se joga pra vc coçar a barriga dela.
Adora ficar bem na frente da tv, mas só quando a gente está vendo um filme... hahahahahahaha.
A menina e o menino da Keka (a menina da Keka foi resgate e ela tinha surpresa na barriga: nasceu o menino da Keka e um dos meus meninos, o Panqueca):
Nikita (resgatada no mode kinder ovo com surpresa ON, né Keka?):
A Nikita é a dona da casa. Mandona, sempre consegue o que quer. Apareceu na portaria do prédio e não resisiti ao seu "mini-miado" e ao seu charme quando pede carinho, mostrando a barriguinha. Odeia ver uma porta fechada e já sabe que é na maçaneta que a mágica acontece. Pula incansavelmente até conseguir abrir. Um mês depois que a adotei, descobri que ela estava gestante e nasceram 4 belezinhas que tive o prazer de ver crescer. Entre eles, o Sapo (e o Punk! uhu!).
Sapo (uma das surpresas):
Sapo recebeu esse nome porque além de ser muito curioso, é campeão de saltos. Principalmente quando algum bichinho voador cruza seu caminho (é de famíliaaaa!). Hoje está o dobro de tamanho e de peso que a mãe e por isso sempre assusto quando reparo o tamanho que ele está. Praticamente um tigre! Apesar disso ele ainda tenta mamar e acaba ganhando muitas lambidinhas da mãe. É adepto das sonecas e adora receber carinho nesses momentos. Ah, e também é tarado por caixas, grama e catnip.

As meninas da Racu:

Suri (a única gata de marca da turma):
Uma jovem senhora que prefere a quietude a qualquer outra forma de existência. Para tirá-la da inércia, fios e lasers em geral costumam fazer efeito. É meio de lua: não é dada a grandes demonstrações de afeto, mas quando menos se espera mia desesperada pedindo carinho e atenção. Nunca se acostumou com a idéia de dividir o território com outra gata, e desconta sua revolta sem dó na colega sempre que tem a oportunidade. Faz um barulhinho de pipoqueira quando ronrona. De manias peculiares, Suri sabe rosnar, gritar, e se espreguiçar empinada nas patinhas de trás, como gente. Mas não sabe mastigar alimentos e engole tudo direto. Inexplicavelmente, muda totalmente de comportamento quando é tosada, ficando carente e grudenta por meses. Ama lugares escondidos, principalmente dentro do armário, afiar as unhas no gabinete do banheiro, catnip e o Fábio (namorido da Racu).
Nina (adotada de sopetão na Cobasi):
Curiosa, adora meter o focinho na cara das visitas, ou roubar coisas de dentro de suas bolsas. Gosta de colo e fica toda derretida ronronando, mas só quando ela quer. Não tente pegá-la ou os resultados podem ser sinistros. Costuma cair de barriga para cima esperando carinho, e faz um barulhinho esquisito ao quicar no chão, mas cuidado: pode ser apenas provocação, porque às vezes ela sai correndo assim que alguém se aproxima atraído pela barriga branca felpuda. Não pode ouvir barulho de embalagem de bombom, que já vem correndo de onde estiver para ganhar a "bola". Adora: dormir de conchinha embaixo do edredon, provocar a Suri, conversar no banheiro. Odeia: fumaça de cigarro, barulho de aspirador e portas fechadas.

O menino da Thata:

Nelson Nhoque (ele foi adotado de uma pessoa que fez um resgate de kinder ovo também):
Muito antes de adotá-lo eu já queria um bichinho, mas sempre acontecia alguma coisa ou eu dava uma desculpa para justificar o medo de tamanha responsabilidade!
No dia que vi a foto daquele bebezinho, com um olhão e os pelos tooodos desgovernados eu tive certeza: havia chegado a hora!
Nelson me mostrou que gatinhos são companheiros e carinhosos e me provou também que nem todo gato tem medo de água.
Desde de pequeno o rapazinho não pode ver uma torneira aberta que quer beber água, molhar a cabeça, enfiar a patinha....e assim, para fazer companhia para o Zé Refoga (o Banzé, da May) eu tenho em casa o Zé Torneira (preciso apresentar ele pro Zé Gotinha, a versão lambe-chuveiro do Panqueca)!
Equerem saber? Toda vez que eu olho pra ele me fazendo companhia enquanto trabalho, ou fazendo a maior bagunça na água eu tenho certeza absoluta que fiz a coisa certa. nunca tinha experimentado amor maior...

Ok, não vou resistir, então vou exibir meus meninos mais uma vez. É uma turma tããão linda.
Fica aqui a cena do MMA Felino que eles lutam todos os dias em casa:



quinta-feira, 24 de novembro de 2011

let's get it started - MIAUUU!

Meu nome é May. 
Sou mãe de felinos. 
É, isso mesmo, MÃE (quem tem um animalzinho de estimação entende este conceito perfeitamente). Apaixonada doente e um pouco exagerada, admito.

Morro de amores por qualquer gato (ou cachorro, ou galinha, ou bode, ou lagartixa...) que cruze meu caminho e perco um pouco a noção no quesito “animal abandonado”. Me meto em encrencas, escalo muros, gasto rios de dinheiro e não meço esforços para resgatar uma familinha quando possível. Quando não é possível sinto dor. Muita dor.

Peço ajuda, sempre. Envolvo quem eu puder na questão, afinal “uma andorinha só não faz verão” e a “união realmente faz a força”. De um pouquinho de cada se faz um montão e, se conseguirmos arrecadar mais pessoas para a causa, acredito que um dia acabaremos com a esta questão no mundo (posso sonhar?).

É claro que, assim sendo, meu assunto preferido é gato e, por essas e outras, decidi reservar este espacinho virtual para divulgá-los, quem sabe combater um pouco do preconceito que existe por aí em relação a estes bichinhos e quem sabe tb conseguir uma casa para alguns abandonadinhos.

Tenho mil histórias para contar dos meus gatinhos. Eles são o maior barato e aprontam cada uma de matar de rir (e de vez em quando de matar de preocupação, de chorar, de susto, etc).

Em breve posto relatos, vídeos e histórias. Enquanto isso me apresento, apresento meus nenês logo abaixo e peço a sua companhia!

Um beijo e até mais.

 Panqueca Jones -
O primogênito. Temperamental, curioso, dorminhoco e amigo. É o primeiro a correr para a porta quando coloco a chave na fechadura e faz questão de dormir no meio das minhas pernas com a cabecinha apoiada como se fossem travesseiros. Adora comer qualquer coisa que encontra na frente sem critério e é um exímio caçador de insetos.

 Tony Banzé -
O maior futebolista do reino felino. Se tivesse uma seleção, ele seria o “fenômeno” com certeza. Disposto, pacífico, encorpado e um pouco desconfiado com gente nova (ele veio diretamente da rua), mas mto carinhoso e ronronento. Está sempre pra lá e para cá com sua bolinha na boca, mas faz sempre uma pausa pra rolar de barriga pra cima e miar quando tem cebola e alho fritando na panela (por isso tb é chamado de Zé Refoga).